Informações sobre drogas

As drogas e as redes sociais

Ao se pensar em redes, as imagens que podem surgir são a rede de pescadores, rede para deitar e descansar, rede de computadores, dentre tantas outras existentes. Qual a semelhança entre elas? Possuírem uma razão de estarem juntas, um objetivo comum. Na rede de pescadores o entrelaçamento dos nós possibilita a captura do peixe e na rede de computadores conectados pela internet se torna possível a comunicação.

As redes sociais têm uma forte influência na vida das pessoas e na dinâmica das instituições.

O que são redes sociais?

Rede social é o vínculo entre pessoas, entre instituições ou entre pessoas e instituições. Elas são caracterizadas pela relação de troca e interdependência por meio da qual a ação de uma repercute na outra.

Uma rede social fortalecida é aquela em que a interação entre os integrantes é intensa e cada um tem clareza do seu papel e do que pode contribuir para alcançar uma meta comum. Uma rede frágil possui pouca participação e troca, maior isolamento e distanciamento entre as partes.

Há vários tipos de rede porque as pessoas estabelecem relações diversas. Redes sociais pessoais, como os amigos e familiares. Redes de categorias profissionais, como grupos de educadores ou de jogadores de futebol. Redes de instituições como escolas, unidades básicas de saúde e de ação social. Há infinitas possibilidades de vinculação, cada qual com uma identidade, ou seja, algo que a define, que diz que rede é aquela.

As redes sociais e as drogas

Compreender o uso de drogas é algo complexo e exige uma visão ampla e multidisciplinar. Trata-se de buscar identificar o maior número de fatores que possam estar contribuindo para que o uso não inicie ou, quando se inicia, para que permaneça ou seja interrompido.

Pensar num adolescente e suas relações favorece a compreensão do uso de drogas numa perspectiva de redes sociais. Cabe refletir: Qual a rede de amigos dele? É uma rede que favorece o uso de drogas ou não? Qual a importância das drogas nesse grupo? Como é sua relação com a família? Como o uso de drogas é visto na família? Como é sua participação na escola? Que vínculos ele mantém com os colegas e com os adultos da escola?

Estas perguntas permitem olhar para a rede de relações pessoais do adolescente. Uma visão mais ampla e rica inclui a comunidade da qual faz parte, instituições que o jovem frequenta e até as políticas públicas. O que o governo tem apresentado como política pública para a juventude? Eles têm acesso ao lazer? Como participa da formulação dessas políticas?

Esta reflexão orienta a visão e possibilita enxergar a rede de forma real considerando suas potencialidades e fragilidades no que se relaciona à prevenção, ao tratamento e inserção social relacionados ao uso de drogas.

As redes sociais podem ser identificadas, mas também modificadas e, com isto, seu potencial protetor com relação às drogas é fortalecido. No exemplo anterior o foco estava no adolescente e seus vínculos. Considerando o dinamismo das redes, pode-se vislumbrar mudanças em sua relação com as drogas à medida que sua rede é modificada, como, por exemplo, ao ingressar em atividades de lazer onde o uso de drogas não esteja presente, conhecendo novos amigos que não usem drogas, dialogando com a família sobre o assunto, contando com o apoio de serviços públicos de atendimento a usuários. As possibilidades irão surgir à medida que vínculos saudáveis sejam criados ou fortalecidos.

O papel das instituições: rede forte é rede integrada

As instituições têm um importante papel com relação ao uso de drogas. Embora possuam papéis específicos na sociedade há instituições com o objetivo de promover um desenvolvimento social saudável. As instituições aqui referidas são representadas pelas escolas, unidades de saúde, ação social e segurança pública, organizações não governamentais (ONGs) e entidades privadas. O objetivo a que se propõem pode envolver uma atenção ao uso de drogas que será mais efetiva caso as ações desenvolvidas sejam planejadas e realizadas em rede.

Ações isoladas correm o risco de sobrecarregar um dos pontos da rede e enfraquecê-la, por isso a importância da ação coletiva. É o caso da área de educação, por exemplo, que será fortalecida se promover suas ações contando com a colaboração dos outros integrantes da rede. A criação de espaços de ação conjunta estabelece relações de corresponsabilidade por meio das quais os potenciais contributivos de todos podem se fazer presentes e a responsabilidade e as conquistas são de todos.

Atuar em rede com relação ao uso de drogas numa perspectiva protetora envolve identificar a rede e a qualidade dos vínculos e trocas estabelecidas entre os participantes, criar espaços para que os objetivos possam ser alcançados de forma integrada por meio do planejamento e execução de ações conjuntas e de ajuda mútua.

Seminários

Encontre um seminário mais próximo de você e participe!

Ver seminários